Chile!

15.01.2016

Segunda semana de Mochilão e o destino de hoje é o CHILE!

 

Um dos poucos países que não fazem fronteira com o Brasil na América do Sul, o Chile tem um território esguio e longo – são mais de 4000km de comprimento por apenas 175km de largura média – limitado entre os imponentes Andes e o grande Pacífico, o que confere uma singularidade de ecossistemas e climas que variam desde o polar, próximo à Antártida, até o deserto mais seco do mundo, o Atacama.

 

Para brazucas, o melhor jeito de chegar é de avião. Ônibus somente do sul do Peru ou da Argentina. Ônibus do sul da Bolívia passam por grandes áreas de deserto e as estradas são precárias - uma opção seria o Tour do Salar de Uyuni, que é tema da nossa matéria da semana que vem!

 

Desta vez, eu tive que deixar o Sul do Chile para uma próxima, para manter o budget, mas as regiões da Terra do Fogo, os glaciares, Patagônia, o Parque Torres del Paine, Puno e região são um espetáculo que merece ser visitado. Eu segui de Santiago para o litoral e em seguida mais de 1000km para o Norte, no coração do Atacama. Tudo dentro da faixa! Vem comigo!

 

SANTIAGO

Santiago é uma cidade extremamente fácil de se locomover, o que é ótimo para turistar. A maior parte da área central é plana e apesar de a cidade ter sido fundada no século XVI, muitas avenidas são largas e arborizadas, com projetos mais atuais de urbanização. Mesmo a região metropolitana concentrando mais de 1/3 da população do país, Santiago é consideravelmente mais segura do que outras capitais e grandes cidades sul-americanas, o que é um convite a caminhar por suas ruas. Ela conta também com três opções de Walking Tour (veja “Dicas do Gui - Santiago”, no final da matéria), metrô compreensivo e diversos terminais de ônibus.

 

Eu recomendaria de 3 a 4 dias para visitar a cidade, dentro de um budget econômico mochileiro.

 

Divida seus dias em: 2 dias para conhecer centro, bairros e subir nos cerros; 1 dia para visitar o Valle Nevado – caso seja inverno; 1 dia para visitar vinícolas, destaque para a Concha y Toro, e feiras de artesanatos.

O centro oferece roteiros interessantes para caminhar. Não esqueça de visitar: Plaza de Armas e a Catedral, Palácio La Moneda (sede do governo), ruelas comerciais em torno da Bolsa de Valores, Museu de Belas Artes, Mercados Públicos (são dois, divididos por uma avenida), Cerro Santa Lucia (fácil de subir a pé e bem no centro da cidade), Cerro San Cristóbal (Mais alto, próximo ao Museu Neruda – Chascona, conta com um Funicular). Há um centro de artesanatos próximo ao Metrô Santa Lúcia que foi recomendado como mais barato que os centros para turistas, como o do Los Dominicos #ficadica. Para Oeste da cidade, ficam bairros históricos como Brasil e Concha y Toro, há diversas praças, igrejas e principalmente arte de rua. Diversas casas e paredes de prédios foram pintadas por artistas e grafiteiros, num sincretismo interessante entre história e expressões modernas de arte. No extremo do bairro fica a Avenida Matucana, que conta com diversos museus – com destaque para o Museu de la Memória y Los Derechos Humanos (Museu da Ditadura) – e com um grande Parque, a Quinta Normal. Tudo isso é possível fazer a pé (eu fiz), mas se você estiver mais sedentário, as linhas de metrô vermelha e verde seguem para quase todos estes destinos, sendo uma boa opção escolher um hotel numa destas duas linhas.

 

O Valle Nevado NÃO fica próximo ao centro. Você precisa pegar um ônibus no terminal ou comprar uma excursão (que pode chegar a USD35), para chegar até as estações de esqui. Realmente só vale a pena se for temporada, então não gaste dinheiro indo para lá durante o alto verão – uma excursão pelos Andes seria muito mais interessante. O Valle fica a cerca de 1h30 (salvo trânsito) de Santiago montanha acima, verifique o que está incluso em seu tour antes de fechar ou, se for por conta, confirme onde o ônibus te deixa, é possível que você tenha que pegar um taxi até as estações. Uma opção durante o verão é visitar Cajón de Maipo, um cânion a quase a mesma distância de ônibus.

 

Para visitar a vinícola Concha y Toro (caso você não tenha feito o roteiro desde Mendoza), a melhor opção é seguir de metrô até Las Mercedes. De lá você pode seguir de táxi (cerca de USD5) ou pegar um bus – saída Concha y Toro Ocidente, buses 73, 80 ou 81.

 

DICAS DO GUI – SANTIAGO

  • Não há metrô até o aeroporto! Há opções de táxis coletivos que podem sair mais em conta, mas cobram por pessoa (custam cerca de metade de um táxi – o que pode valer a pena para viajantes solo ou casais), e ônibus que ligam o aeroporto à estação de metrô Los Heroes (CLP1500/USD2 na CentroPuerto, mais barata). Há mais de uma operadora, então cheque os preços. O metrô pode fechar cedo, então, caso chegue próximo à meia-noite, prefira os táxis coletivos – sempre de uma empresa oficial dentro do aeroporto. Há opções de transfer para hotel e táxis particulares, mas são mais caros, podendo chegar a USD30. Mais info: Aeropuerto Arturo Benítez 

  • Cerro San Cristóbal – O Funicular é relativamente caro (CLP1500/1950 o trecho – mais barato durante a semana), mas é uma experiência deliciosa. Pegue-o para subir apenas, se quiser economizar. A vista é de quase 360° da cidade e ainda se pode visitar o Santuário de La Inmaculada Concepción. Mais info: San Cristóbal

  • A Spicy Chile realiza três roteiros de Walking Tour gratuito em Santiago, baseados em propinas (gorjetas). Há opções em Inglês, Espanhol e mesmo em Português, todos os dias, exceto Domingos. Escolha entre “Good Morning Santiago” – que contempla o centro e principais pontos turísticos, “The Popular Santiago” – que faz o lado Norte do rio e Mercados, e “The Patrimonial Route”, que faz os bairros históricos. As gorjetas vão de cada um, mas em geral se dá o equivalente a USD2 ou 3. Atenção: Todos saem de pontos de encontro diferentes! Mais info: Walking Tours

  • Café Andaluz – Um café que serve almoços (entrada, principal, postre e bebida) por um preço simpático (CLP3990/USD5.45) e numa localização ótima, entre o cerro Santa Lúcia e o Museu de Belas Artes. Boa pedida para uma parada estratégica e um almocinho semi-chic em mesinhas na calçada arborizada. O Raimundo ainda fala português e pode te ajudar com o cardápio. Este café também é o ponto de encontro de um dos tours, ficando sempre movimentado.

  • Noite: A noite em Santiago tem as mais variadas opções, de casas de tango a baladas internacionais com pitadas de Reggaeton. A presença de música latina é muito mais forte que no Brasil, então caso possa acordar mais tarde no dia seguinte, vale a pena conferir uma baladinha. Os preços podem ser salgados, em média CLP10000 (USD13.65).

  • Há diversos terminais de ônibus em Santiago, o que pode transformar sua tarefa de sair da cidade em algo mais complexo do que parece. Os principais terminais ficam próximos ao metrô Universidad de Santiago. O Terminal Sur (se divide em dois, a uma quadra de distância) oferece ônibus para Argentina e Região Sul, o Terminal San Borja (fica dentro de um Shopping) oferece ônibus para Região Norte e Atacama. Além deles há o pequeno Terminal Los Heroes, no centro (metrô de mesmo nome) e o Pajaritos (mais distante, mas que oferece maior opção de ônibus para o litoral, por exemplo). Em qualquer terminal é possível comprar tickets para outras regiões, nas empresas grandes, então, na dúvida, vá ao Terminal Sul ou San Borja para comprar seus bilhetes. A Turbus e a Pullman oferecem o maior número de destinos, mas nem sempre são as mais baratas, saia perguntando. #ficadica

VALPARAÍSO e VIÑA DEL MAR

Cidades irmãs, gêmeas completamente diferentes!

 

Partindo de Santiago, você pode pousar uma noite no litoral ou fazer bate-volta nestas duas cidades. Ônibus demoram pouco mais de 1h30 para o trajeto e você pode fazer cada cidade em meio dia.

O Terminal de Buses de Valparaíso tem centro de informações turísticas, onde você consegue um mapa gratuito e bem detalhado da cidade. Começando por ali, siga para a Av. Argentina, de onde partem os buses municipais que cortam as atrações turísticas do centro. Desça em Artilheria, do outro lado do Porto e retorne para o centro caminhando. Lá é possível subir nos Funiculares, são vários por toda a cidade (recomendo o Artilheria e o Concepción). Apesar da vista da cidade alta, eles são bem antigos na grande maioria e são uma opção de transporte público entre as duas regiões, por um preço acessível (cerca de CLP500/USD0.70). O mais antigo é o Concepción, que liga o centro à região turística da cidade alta. A parte baixa da cidade é basicamente composta pelo Porto, casarões antigos, ruínas - heranças dos terremotos - praças e ruas comerciais. De lá também sai um Walking Tour, para quem quiser. A cidade alta é mais turística, melhor reformada e mais colorida. Você pode subir de Funicular e descer pelas ruas para economizar. A cidade é bem compacta e à primeira vista parece um pouco abandonada e decadente, o que destoa de sua importância histórica e cultural. Da avenida à beira mar partem os micros (vans/micro-ônibus) que fazem as conexões com outras cidades litorâneas. Uma curta viagem de 15 minutos até Viña del Mar custa cerca de CLP400 (USD0.55) e te deixa em frente ao Reloj de Flores.

 

Em Viña, você pode seguir de ônibus direto para mais próximo das praias ou pode descer no Reloj e subir o Cerro Castillo para uma vista da costa. Nesta região mais alta, há um pequeno roteiro de casarões históricos que você pode seguir sentido centro. Depois, siga pela Avenida Viana até a entrada da Quinta Vergara, um pulmão verde no meio da cidade, sede do Palácio Vergara e do famoso Festival da Canção de Viña del Mar. De lá é possível visitar o Museo Artequin e a Paróquia de Viña (o uso dos wcs é gratuito e tem wifi aberto na praça #ficadica). De lá siga pela Plaza Sucre e Ponte Libertad em direção às perpendiculares Norte. O Cassino fica ao final da 3 Norte e a praia começa no final da 8 Norte. Há feirinhas de artesanato próximas ao Muelle Vergara também. A água é muito fria, mesmo no verão, e é comum ventar no final da tarde, então leve um agasalho para ver o pôr-do-sol. Se tiver mais tempo ou decidir passar uma noite no litoral, siga para as dunas de Concon, após Reñaca sentido Norte.

 

DICAS DO GUI – LITORAL

  • Viña del Mar é muito mais upmarket que Valparaíso. As opções mais econômicas para comer estão na cidade baixa de Valparaíso, próximo ao centro e porto, tornando esta uma boa opção para almoçar antes de seguir para Viña. Os preços da cidade alta são bem pouco convidativos.

  • A segurança também é um grande diferencial entre as cidades, Valparaíso é apontada como mais violenta, então vá com o básico e atente para seus pertences, principalmente na cidade baixa e próximo ao porto, onde ancoram os navios de cruzeiro cheios de turistas.

  • Se quiser comprar snacks pelas vendinhas de rua, leve dinheiro trocado e moedas, sempre bem-vindas.

  • Os ônibus que retornam para Santiago no final do dia tendem a ser cheios e mais caros que os de ida. Recomendo comprar ida e volta já em Santiago escolhendo o horário com tranquilidade. Se comprar alguns dias antes da viagem, o preço pode sair mais em conta ainda.

  • O funicular Concepción é um caixotinho de madeira que range e fica escondido entre prédios, mas é um passeio obrigatório. Abrace a história!

 

ATACAMA

O Deserto mais seco do mundo era meu destino principal no Chile e não decepcionou!

Nosso destino é o vilarejo de San Pedro de Atacama, um pequeno oásis no coração do deserto, a mais de 1000km de Santiago. Há duas maneiras de se chegar aqui: Voando – De Santiago voe para Calama (a operadora Sky realiza voos econômicos, principalmente para quem compra ida-volta), de Calama pegue um ônibus 1-2h até San Pedro. Bus – São 24-25h de ônibus de Santiago sentido Norte, as estradas até Calama são excelentes e para quem dorme na viagem, não é muito sacrifício. Leve lanche e muita água pois o bus faz apenas paradas curtíssimas para descida-subida de passageiros nos terminais das cidades no caminho. É comum que vendedores subam no ônibus para oferecer doces e salgados durante o trajeto, então leve uns trocados com você. O que eu fiz? Uma opção mais econômica ainda! Eu comprei um ônibus até Calama (22-23h) e de lá outro ônibus até San Pedro, ambos os trechos saíram CLP13000 (USD17.75) mais baratos que o ônibus direto para San Pedro. A melhor opção para esta rota foi a Pullman – saída do Terminal San Borja (CLP30000/USD41).

 

Chegando em San Pedro, não há centro de informações no terminal, nem wifi. A cidade é super pequena, mas na hora que se chega, pode ser complicado se localizar sem um mapa. Saindo pela rua principal na frente da estação, siga para a esquerda na Calle Tumisa, segunda à esquerda (ruela) para a Calle Ignácio, a primeira à esquerda já é a Calle Caracoles, a principal da cidade – na dúvida pergunte por esta rua e de lá você se acha. Dica: na dúvida há um pequeno café na estação, peça uma água e a senha do wifi ou para te mostrarem onde você está no mapa deles.

 

San Pedro já está a 2400m de altitude, não há muito desconforto quanto a isso, mas muito em relação ao clima seco e empoeirado da cidade. Seu nariz pode sangrar e mesmo sem calor, você desidrata muito rápido (observe como sua toalha seca em poucos minutos). Abuse do protetor solar, carregue garrafas d’água e use chapéu/boné.

 

O vilarejo em si tem muitos poucos atrativos turísticos, apenas a praça principal com sua pitoresca igreja de adobe e um museu. Ele funciona mais como uma base para explorar as incríveis paisagens da região e a melhor forma é por meio de tours. Há poucas opções para quem quer se aventurar sozinho, uma delas é alugar bicicletas e pedalar muito no sol e poeira até o Valle de La Luna e Muerte ou até a vizinha Pukara de Quitor (ruínas). Todos os outros passeios exigem estrada – nem sempre muito óbvias – o que nos leva de novo a visitar agências de turismo. Mesmo para mochileiros muquiranas há opções de tours e muita possibilidade de pechincha!

No centro há diversas opções de pacotes para mais de um tour, há muitas placas com 4 (ou mais) tours por CLP50mil/55mil (USD68/75) e em geral se faz um full day ou dois half-day em um combo, por dia. O ideal, para fazer o máximo possível dos tours é ficar entre 3 e 5 dias na cidade. A acomodação não é barata e o mercado é mais caro que em Santiago, então pesquise (5L de água podem valer de CLP1500 a CLP2600 de uma portinha para outra). Dentre os tours mais populares estão: Geyser del Tatio, Lagunas Altiplanicas, Piedras Rojas, Laguna Cejar, Valle de la Luna e Muerte, Salar de Tara, Valle del Arco Iris e Termas de Puritama; os preços independentes variam de CLP10mil a 50mil, então pesquise as atrações que você quer realmente ver e já chegue negociando um pacote. Atenção: Em todas as atrações há custos extras de entrada nos parques, então informe-se sobre quanto levar em dinheiro para cada tour.

 

Recomendações: Dia 1 – Já na chegada, se tiver tempo de visitar o centro e as agências para fechar um preço legal, pegue o tour da tarde para visitar o Valle de La Luna e Muerte (CLP10000/USD13.65). São cânions e vales impressionantes e as fotos ficam incríveis, principalmente no pôr-do-sol, que você pode conferir de cima de uma duna enquanto as montanhas mudam de cor. Dia 2 – Faça um combo com almoço incluído Lagunas Altiplanicas + Piedras Rojas (pode chegar a CLP50000/USD68, mas você pode negociar com outros passeios e conseguir descontos ou comprar o combo de 4 passeios e programá-los juntos), nele você visita vilarejos que vivem de agricultura de subsistência e artesanías (artesanato), avista as selvagens vicuñas e se impressiona com lagunas incríveis que se localizam a mais de 4000m de altitude e podem mudar de cor conforme você caminha pela margem. O tour termina no Salar do Atacama, um deserto de pedras de sal cortado por canais de água salgada repletos de flamingos. Dia 3 – Salar de Tara (pode chegar a CLP50000/USD68), é uma das atrações mais distantes e, portanto, leva o dia todo. É composto de cânions e paisagens surreais. As entradas para cada um destes passeios gira em torno de CLP3000/5000 (USD4.10/6.80) com desconto de até 50% para estudantes com carteirinha. Reserve um dia para aclimatação, você pode não se sentir muito bem após retornar dos 4000m de altitude, mas se você estiver bem, siga de bicicleta para Pukara ou para mais um tour. Eu não fui para os Geyseres porque iria ver outros (menores) no tour para a Bolívia (próxima semana tem post!) – e eles não são naaada parecidos com aqueles do Zé Colmeia – e a Laguna Cejar+Ojos, apesar de bem visitada e do preço do tour não ser tão alto (ficam perto da cidade), tem uma entrada cara, cerca de CLP15000 (USD20.50). É permitido nadar nas águas super salgadas em que você não afunda, estilo Mar Morto. Leve roupa de banho, há chuveiros no local.

 

DICAS DO GUI – ATACAMA

  • Se seu hostel tiver cozinha – o que é ótimo em San Pedro – você pode economizar cozinhando de noite. Eu fiz compras em Santiago, mais barato, e levei para o deserto. Pense em massas, atum em lata e coisas que não precisem de geladeira. Frutas e verduras são bem caras por lá.

  • Uma opção econômica é o pollo com papas (frango com batata frita) no centro, ou o menu turístico do La Pica del Indio (sim, este nome mesmo), que fica na Toconao, próximo à Caracoles – cerca de CLP4000/USD5.45, sem bebida.

  • Beba muita água, mesmo sem sede. Além do protetor solar e chapéu, leve hidratante labial. Parece besteira, mas eles podem te salvar e prevenir que seus lábios rachem absurdamente de uma hora para outra. Hidratante de pele e rosto também são bem vindos, principalmente depois do banho. Óculos escuros com um bom fator de proteção também devem ser lembrados. Seus olhos podem ficar muito irritados após os tours, principalmente nos que passam dos 4000m. Leve Dramin e Ibuprofeno, você vai precisar.

  • Como a região é desértica, pode fazer frio à noite, principalmente no inverno. Muitos hosteis alugam sacos de dormir ou oferecem cobertas extras, pois calefação é inexistente.

  • Não pise na vegetação local, leve um saquinho para seu lixo e não tire fotos de pessoas sem perguntar antes. Um pouco de bom senso pode te levar longe ;-)

 

Próxima semana tem BOLÍVIA e SALAR DE UYUNI!!! Fiquem ligados chicos e chicas!!! No final do mês rola o ROTEIRO completo com preços, o que fazer (e o que não fazer), hotéis, passeios, lugares para visitar e comer, tudo FREE! ;)

 

Curta o Blog no Facebook clicando na página do Gui Por Aí e fique por dentro dos próximos posts e depoimentos, dicas, tops, roteiros e muito mais! Você também pode participar mandando sua foto para o nosso Instagram, ou seu depoimento, dúvidas e dicas locais no e-mail abaixo.

 

 

 

Please reload

  • Facebook Limpa
  • Instagram Limpa
  • Twitter Clean
DESTAQUE

Bolívia!

29.01.2016

1/10
Please reload

PARA IR ALÉM
PESQUISA
 POSTS RECENTES 
Please reload

ARQUIVO
Please reload

BUSCA POR TAGS