Cockatoo Island: A história da Austrália em uma pequena ilha!

27.07.2016

 

Nosso destino de hoje fica bem pertinho do centro de Sydney, há poucos minutos de ferry, mas representa uma viagem na história! Bem no meio da baía, a maior ilha da região é hoje um destino turístico, mas já foi uma prisão, um colégio para garotas e um dos maiores expoentes da indústria naval australiana. Bem-vindos a Cockatoo Island!

 

Apontada por alguns historiadores como sendo originalmente uma parada de pesca usada pelos aborígenes da região da baía, Cockatoo Island foi transformada em 1839 numa prisão e durante cerca de 30 anos, os condenados a passar sua pena na ilha tiveram que trabalhar extraindo pedras para construção dos prédios prisionais e fornecimento de blocos de arenito para outras regiões da cidade. Os prisioneiros também foram os responsáveis por construir a primeira doca seca da ilha, inaugurada em 1957, e que seria o pontapé inicial de sua emblemática história naval.

 

 

O complexo construído com blocos de arenito ainda pode ser visitados no topo da ilha, dividida em partes baixa e alta, unidas por rampas e escadas.

 

Poucos anos depois, a ilha deixou sua vocação prisional e se tornou uma escola industrial para garotas, além de reformatório, recebendo o nome de Biloela, que é o nome aborígene para cacatua branca (white cockatoo). Nesta época, meninas do reformatório dividiam espaço com as do colégio industrial, o que provou ser um insucesso e 9 anos depois este programa foi encerrado. Nesta mesma época, começou-se a desenvolver a indústria naval na ilha, que acabou no século XX por transformar a paisagem antes coberta por árvores em uma área altamente industrializada e coberta por galpões enormes, algums ainda de pé até hoje.

 

Além da construção de navios e embarcações para a marinha australiana, Cockatoo Island foi crucial na Segunda Guerra Mundial como o principal porto de reparo dos navios aliados no oeste do Pacífico-Sul. Esta vocação naval seguiu até a construção do último navio em 1991, quando as atividades na ilha foram encerradas.

No topo da ilha, grande parte dos galpões ainda de pé contam a história de quem trabalhou e morou na ilha durante o século XX. Os trabalhos eram segmentados e cada galpão era responsável por planejar, desenvolver e construir partes separadas das emabrcações que seriam depois montadas no estaleiro. Vários destes galpões estão fechados para o acesso do público, apenas com descrições e fotos do lado de fora. Há também um pequeno museu na parte alta que conta a história da ilha e de seus habitantes. Na parte baixa, um dos prédios mais interessantes é a ‘casa de força’ que gerava energia para as atividades locais e é facilmente reconhecível pela enorme chaminé extremamente bem conservada.

 

 

A ilha conta também com dois túneis cortando o maciço central, uma área industrial na parte baixa e ancoradouros ainda em uso, com acesso restrito. Alguns dos elementos mais interessantes ao visitar a ilha são os guindastes entregues ao tempo, espalhados por toda parte, esperando para serem fotografados ao pôr-do-sol.

 

A ilha foi aberta para turismo em 2007 e passou a integrar a rota de passageiros dos ferries entre Circular Quay e Parramatta, no interior da baía. Em 2010, a ilha foi listada como Patrimônio Mundial por sua histórica colônia prisional e hoje é uma das ilhas mais visitadas da baía de Sydney, sediando diversos eventos ao longo do ano, além de ser um espaço disputado para assistir aos fogos de ano novo da Harbour Bridge por sua vista privilegiada.

Ao visitar Sydney, não deixe de mergulhar na história viva desta pequena ilha tão perto do centro, mas parada no tempo, que representa a evolução do próprio país desde sua origem como colônia prisional até as recentes fases da industrialização do século XX.

 

 

 

 Como chegar:
Da estação Circular Quay: Pegue o Ferry F3 – Parramatta / Olympic Park (cerca de 21min).

 

A partir de 1 de Agosto de 2016, ferries só aceitaram OPAL (cartão de transporte gratuito que você pode obter nas estações de trem).

 

 Estrutura:
A ilha conta com um ancoradouro único e rampas para descer dos ferries. A maior parte da ilha é acessível a cadeirantes, com banheiros públicos e rampas de acesso, porém algumas partes tem aclive acentuado. Na parte baixa da ilha há um pequeno café-bar e um centro de informações turísticas.

 

Mapas são pagos, mas há livros gratuitos de atividades para crianças. Há também uma ampla área de camping e opção de hospedagem para quem decidir passar a noite na ilha, com pacotes especiais de ano novo.

 

Mais informações: cockatooisland.gov.au

 

Quer saber algo sobre a Austrália ou algum outro destino? Tem alguma curiosidade sobre países de língua inglesa? Fale com o Gui! Sua sugestão/pergunta pode virar uma matéria aqui no site.

 

Publicado originalmente em: Engoo.com

 

 

 

 

 

 

 

Quer saber mais sobre países anglofones? Vem comigo!!! Toda quinzena tem um post quentinho do GuiPorAí.com aqui no Blog da Engoo!

Bote o inglês para funcionar e caia no mundo!!!

Please reload

  • Facebook Limpa
  • Instagram Limpa
  • Twitter Clean
DESTAQUE

Bolívia!

29.01.2016

1/10
Please reload

PARA IR ALÉM
PESQUISA
 POSTS RECENTES 
Please reload

ARQUIVO
Please reload

BUSCA POR TAGS